Falta de coragem é covardia?

16/365

Falta de coragem é covardia?

Michaelis on-line diz que coragem é uma força ou uma energia moral diante do perigo, sentimento de segurança para enfrentar situações de dificuldade moral ou ainda um atributo de quem tem determinação para realizar atividades que exigem firmeza.
Covarde é aquele que não tem coragem, é um medroso. É quem foge de situações de perigo ou dos mais fortes.
Ao presenciar uma discriminação ou algo muito errado ou injusto vindo de alguém com um cargo superior, é aceitável que a pessoa se cale. É o emprego dela em jogo, os boletos para pagar, a taxa alta de desemprego lá fora que assusta. Não é certo que essa pessoa seja chamada de covarde.
Há limites e cada pessoa os mede com uma régua diferente.
Não é fácil reivindicar por justiça e morrer de fome. Que luta seria essa?
Mas, em compensação, algumas coisas não podem ser aceitas, não por mim, não mais, quando afetam a nossa dignidade, quando nos colocam em um risco de adoecer ou de adoecer os nossos por simples atitudes que seriam facilmente modificadas, mas não são. Não são pois as pessoas que têm dinheiro acham que as vidas delas valem mais do que as daqueles que não têm. Essa é a minha régua. Não foi por algum tempo e eu pensava que havia me acovardado. Quem tem dívida tem medo (dei uma adaptada no ditado). As férias me deram o fôlego que eu precisava para me encorajar novamente. Um dia me disseram que eu não tinha um senso de hierarquia e eu não soube muito bem como debater essa afirmação falsa. Hoje eu respondo com todas as letras que na verdade o meu senso de justiça e o meu bom senso são grandes e por isso eu falo aquilo que eu acho que eu devo falar sempre com a intenção de fazer o certo.

Inhame, leitura e desmatamento

15/365

Estou finalizando a leitura  o livro “A cor púrpura” de Alice Walker. Em algumas partes é dito que o inhame evita malária. Achei que era pura ficção, mas não.
Ler faz a gente viver outras vidas, pensar em coisas que nunca antes haviam passado pelas nossas cabeças, aumentar o nosso vocabulário e aprender coisas novas.
Esse tubérculo também é um poderoso depurativo do sangue, fazendo com que muitas impurezas do sangue saiam através da pele, rins e intestinos. E ainda é indicado na prevenção da malária, dengue e febre amarela.
A natureza é incrivelmente potente e nós estamos destruindo tudo.
Quantos remédios naturais ou insumos para curar doenças que já existem ou que existirão no futuro e ainda não foram descobertos e provavelmente não serão devido ao desmatamento desenfreado?
Enquanto houver esperança, esperançarei!

Só enquanto eu respirar…

14/365

Eu li a manchete do jornal, mas continuei apática.
O que significa “acabar o oxigênio”?
HIPOXIA é o termo utilizado para insuficiência de oxigênio no sangue, nas células ou nos tecidos ou para a insuficiência de oxigênio no ar inspirado.
O cenário descrito com detalhes: palidez, dilatação das pupilas, respiração ruidosa, tosse, CIANOSE, ou seja,  a coloração azulada na pele da face e das extremidades.
Não é uma série, não é um filme, não é ficção: aconteceu em Manaus.
“Pesquisador diz que os leitos viraram câmaras de asfixia.”
Muita gente morrendo, mortes evitáveis.
Encerro com um trecho de “O Anjo mais velho”
“…Tua ausência fazendo silêncio em todo lugar… Só enquanto eu respirar, vou me lembrar de você, só enquanto eu respirar.” (O Teatro Mágico)

Iolanda

13/365

Saudade do tempo que passou
Das férias escolares e dos cafés da tarde com pão de milho
De repente, a nostalgia, aqui, se instaurou
O dia do seu aniversário foi o gatilho
A melancolia aos poucos vai dando lugar à gratidão pelo convívio, por fazer parte da sua história e você, da minha.

Criatividade e a profecia autorrealizadora – expectativa x desempenho: efeito Pigmaleão ou efeito Rosenthal

11/365

Criatividade nada mais é do que a capacidade de criar ou de inventar seja por diversão ou para resolução de problemas. Uma pessoa criativa precisa ser observadora, curiosa e persistente.
Não é uma questão de fé, é uma questão de não desistir.
“Minhas invenções são fruto de 1% de inspiração e 99% de transpiração.” Thomas Edison.
Vamos olhar de um caso específico e extrapolar as interpretações para casos genéricos:
Eram duas alunas do ensino médio cursando as aulas de Artes. UMA desenhava muito bem, tinha um lado artístico aflorado e caiu nas graças da professora e a OUTRA era persistente, mas era vista como pouco criativa. A UMA sempre tirava “A” e a OUTRA, “C”. No final do semestre, elas resolveram fazer um experimento e trocaram os nomes nos trabalhos. Adivinhe? As notas permaneceram as mesmas. Por quê? A UMA havia perdido os seus dons artísticos e a OUTRA havia melhorado finalmente mediante seu esforço OU a professora fora acometida pelo Efeito Pigmaleão ou Efeito Rosenthal?
A proposição 2 é a mais apropriada para solucionar essa questão.
Efeito Pigmaleão ou efeito Rosenthal é o um fenômeno psicólogo em que o desempenho de uma pessoa é afetado pelas expectativas que as outras pessoas têm dela.
Quem foi Pigmaleão?  Ele era um escultor e rei da ilha de Chipre que não era casado e, segundo o  mito narrado pelo poeta romano Ovídio, decidiu criar uma estátua que seria a representação da mulher ideal, segundo a sua visão, e a nomeou como Galateia. E ele depositou todas as suas expectativas nessa criação. Deu tão certo que ele se apaixonou pela sua obra.
A Deusa Afrodite  concedeu o desejo dele e transformou a estátua em uma mulher de carne e osso com a qual Pigmaleão casou e teve uma filha chamada Pafos (que hoje é uma cidade no Chipre, localizada no sudoeste da ilha).
Robert Rosenthal fez experimento com ratos e depois, em 1964, com alunos nos EUA.
Ele separou os ratos em dois grupos e disse para os alunos que um dos grupos era mais hábil em resolver problemas de labirintos. As expectativas dos alunos nos ratos esperros realmente fizeram com que os eles se saíssem melhor nas atividades.
No experimento com os alunos, ele disse para os professores que alguns alunos tinham um QI maior (o que não era verdade) e isso gerou uma expectativa maior nos professores, afetando o desempenho de forma positiva nos alunos, porém ele notou que esse feito era maior em crianças mais novas.
Isso não significa que podemos fazer absolutamente qualquer coisa e é só acreditar., Cuidado para não entrar em bobagens motivacionais de Coachs “você pode tudo, você consegue tudo”, mas é uma ótima reflexão para pais, professores e líderes.

Fonte:
https://podcasts.google.com/?feed=aHR0cHM6Ly9mZWVkcy5zaW1wbGVjYXN0LmNvbS9od1FWbTVneQ&ep=14&episode=MzNjMDk4OWItODZjYi00ZWViLWJhMjAtZTBiMzQ4OWE1MjI3

10 premissas para ser adulto em 2021

10/365

Premissa 1. Não confie em pessoas que criam melhores amigos do dia para a noite.
Premissa 2. Não cutuque o nariz em público, isso é nojento. O mesmo vale para comer de boca aberta.
Premissa 3. Existem vários jeitos de dizer a mesma coisa, escolher o pior deles não é excesso de intimidade, é falta de cuidado.
Premissa 4. Não seja um imbecil. Siga as instruções e cumpra os combinados.
Premissa 5. “Curtir” a própria postagem é algo um tanto quanto narcisista. Parece que não é socialmente aceitável…
Premissa 6. A gente deixa de ser criança oficialmente em três casos: 1. Quando não se importa mais em comer a tortuguita por partes, 2. Quando se está com machucado e entra no banho de uma vez, em vez de deixar essa parte do corpo pra lavar por último e 3. Quando não se tem mais medo da panela de pressão.
Premissa 7. Beba água, use filtro solar e, se não for pedir muito, fone de ouvido de também.
Premissa 8. “Nada contra” geralmente vem acompanhado de uma frase preconceituosa.
Premissa 9. Chamar o CPF de CIC entrega muito a idade.
Premissa 10. Só eu que não sabia que “embora” é a junção de “em boa hora”?

Como fazer uma discussão se tornar irrelevante

9/365

O feijão é por cima, por baixo ou do lado do arroz?
Fui morar com duas amigas na época da faculdade para encurtar um pouco a viagem. Resolvemos fazer um rodízio: cada dia uma das três fazia comida.
Meu primeiro dia foi inesquecível. Sujei tantas panelas que elas acharam que eu tinha feito um banquete.
Fiz arroz e feijão.
Salguei o feijão e o arroz… Ah! O arroz…
Morando com meus pais, fazia anos que eu não sabia o que era preparar um simples arroz.
Botei tanta água que não secava NUNCA. Comecei a trocar desesperadamente de panela, na esperança de ir perdendo água no caminho, liguei para minha mãe e perguntei se ela achava que resolveria batendo no liquidificador (ela fez um NÃO tão sonoro que eu escutaria mesmo sem o telefone). Resolvi misturar um milho em lata. Ficou… como posso dizer… comestível.
Quando eu terminei, olhei para a cozinha, aquele monte de panela suja, bateu aquela tristeza sincera.
Escrevi um bilhete para elas com os seguintes dizeres:
“Quando chegar, por favor me acorde
Estou o desânimo em forma de gente.”
Elas me acordaram com o olho arregalado, pensei que era por causa do arroz, quando na verdade acharam que eu estava possuída.
Elas leram “o demônio em forma de gente”.
E foi assim que eu tornei a posição do arroz e do feijão irrelevante.
Sigam-me para mais receitas.

Grandes coisas

8/365

Eu me queimei em um vulcão na Rússia.

A pele é o maior órgão do corpo humano. Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico é a maior palavra em língua portuguesa e se  refere à aspiração de cinzas vulcânicas.
A Rússia é o maior país do mundo.

Caderno de erros

7/365
2020 foi um ano difícil para todo mundo em tantos quesitos que a gente nem aguenta mais pensar sobre isso, né não?
Eu fiquei pensando que trabalhar em casa foi algo que eu gostei demais! Não precisar gastar 4 horas me deslocando foi sensacional. Mas há alguns lados ruins no Home Office: o distanciamento faz com que algumas pessoas não se comprometam com as suas funções, é bem verdade, mas às vezes é apenas falha na comunicação. Quantos problemas enfrentei devido a uma comunicação entroncada, daria uma lista enorme, mas eu não listei.
Só pensei nisso após ver um vídeo em que o Murilo Gun,  em seu curso de reaprendizagem criativa, na parte do bloqueio do implícito, dizia: “o que fica subentendido gera mal-entendido”.
E se fizéssemos um caderno de erros?
Esquece, Bárbara! Quem vai querer expor os próprios vacilos? “É preciso ser competitivo.”
Todo o tempo é isso que se ouve, é isso que se diz e é isso que se espera.
Questão de sobrevivência, literalmente, muitas vezes.
Eu já tinha visto um caderno de erros antes, aliás eu tenho um exemplar elaborado pela Brava Companhia de Teatro (quando fiz um curso livre com eles, que me mudou e não foi pouco).
-Qual seria o objetivo? Somos secretárias, não somos artistas.
Reduzir a rivalidade tão fomentada pelas políticas do Mercado, aumentar a sororidade, criar um aprendizado coletivo. Anotar não só os vacilos, mas analisar o que aconteceu, o que podemos fazer para que o erro não se repita, quais ideias que tivemos de melhoria que não autorizaram ou que não deu certo e os aprendizados em cursos ou em leituras. Eu acho que é uma ideia incrível e utópica.
“A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”
Eduardo Galeano